Skip to main content
Melhores tipos de testes de usabilidade UX

Melhores tipos de testes de usabilidade UX

Você sabe quais são os melhores tipos de testes de usabilidade UX? Eles servem para descobrir erros, insights e como aprimorar a experiência do usuário na sua plataforma.

Hoje, focar na experiência do usuário é a nova tendência do mercado. Com o aumento da sua procura e o surgimento diário de novos profissionais focados nisso, fica cada vez mais imprescindível investir em ter uma boa user experience, ou UX.

Não importa o que a sua empresa faz ou que ela vende, em tudo pode ser aplicado as técnicas de UX.

Por isso, vamos ver quais são os melhores tipos de testes de usabilidade? Mas, antes vamos passar rapidamente sobre o conceito de UX.

O que é UX?

O termo foi cunhado por Donald Norman, lá em 1990, quando ele trabalhava para a Apple. Norman observou que a experiência do usuário é muito mais do que um layout bonito e agradável, o UX se resume a todas as experiências que o usuário terá com o produto. Como exemplo, ele cita os próprios computadores Apple, que no começo não possuíam um formato agradável e assustavam o público, até mesmo a caixa onde eles vinham e que podiam ser muito grandes para entrar no carro faz parte da experiência do usuário com o produto.

Ou seja, se você acha que somente um design bonito é importante para o UX está errado. Usando a Apple ainda como exemplo, eles levam a experiência do usuário tão a sério que investem pesado em suas embalagens, tendo uma equipe própria para o desenvolvimento delas. O motivo? Elas são uma etapa de contato com o produto, e eles querem que seja perfeita e que ajude a criar laços emocionais entre produto, marca e consumidor.

Netflix é um exemplo de empresa que também investe pesado em UX, sua plataforma é intuitiva e facilita o acesso a todo o seu catálogo. Exceto quando ela cancela sua série favorita, a experiência do usuário dificilmente é negativa.

Resumindo: User Experience (UX) é um conjunto de estratégias e ações para entregar o melhor conteúdo (produto ou serviço) para que ele seja consumido da forma mais agradável.

E é para isso que servem os testes de usabilidade, para garantir que a experiência será incrível.

Leia também:

O que é e qual a importância do teste de usabilidade?

Teste de usabilidade é como se chamam os testes onde empresas colocam à prova seus produtos para saber possíveis erros, formas de melhorar a experiência do usuário etc. Eles são importante porque ajudam a diminuir falhas, mostrar insights e aprender que, às vezes, você pode ter uma equipe genial, mas nada vai superar o feedback do usuário.

Quer saber como é importante isso? Então, responda essa pergunta: quantas vezes você deixou de comprar alguma coisa online porque a busca e os filtros não funcionaram direito? Todo mundo já fez isso, deixou de lado uma loja e foi procurar em outra que não apresentasse um grande desafio encontrar o produto que você queria.

O teste é essencial para garantir uma boa experiência. Mas como saber quais os melhores tipos de testes de usabilidade?

Quais sao e como fazer o teste de usabilidade 

Quais são e como fazer o teste de usabilidade? 

Tudo depende do que você quer testar, mas geralmente os testes de usabilidade são feitos da seguinte forma:

  • Você seleciona alguns usuários em potenciais do seu produto;
  • Pede para que eles realizem tarefas predeterminadas usando sua plataforma;
  • Você analisa como elas foram feitas e o que o usuário sentiu.

Essa é forma básica de um teste de usabilidade. Geralmente, eles são divididos em formato quantitativo e qualitativo. Mas, tudo depende do que você quer obter:

  • Quantitativo é ideal para obter métricas precisas, como tempo de execução;
  • Qualitativo é recomendado para obter informações mais intangíveis, como facilidade de uso.

Além disso, existem ainda vários tipos de testes de usabilidade. Vamos conhecê-los, assim você pode escolher o melhor para o seu projeto e seu objetivo:

Moderado

Nesse tipo de teste de usabilidade, alguém da sua equipe acompanhará todo o processo em conjunto com o usuário, para apresentar o teste e responder eventuais dúvidas.

Não moderado

Ele é feito sem supervisão direta de alguém, deixando o usuário sozinho durante o teste. Mesmo sendo mais barato de ser feito, o não moderado pode gerar respostas mais superficiais devido à ausência do moderador, então atente-se a isso!

Remoto

Esses são feitos através da internet ou por telefone, assim o usuário não precisa se deslocar até o local do teste. São ideais se você precisar de um grande número de testes, mas assim como o não moderado, não fornece insights profundos.

Feito pessoalmente

Aqui, o grande problema é a logística de encontrar um local adequado, recrutar os participantes e combinar o horário ideal para a realização do teste. Mesmo sendo uma forma mais cara de testar, ele é ideal se você precisa avaliar o comportamento e linguagem corporal dos participantes.

Exploratório

Nesse tipo, os usuários são convidados para debater e dar opiniões sobre o seu produto, conceitos, ideologias e mais; tudo de forma mais aberta e espontânea. Isso pode gerar excelentes soluções para sua marca.

Avaliação

Serve para testar se seus usuários estão satisfeitos com o seu produto e se é fácil ou não para eles usarem. A avaliação é excelente para testar as funcionalidades.

Comparativo

Quem é melhor? No teste de usabilidade comparativo, seus usuários comparam seu site com um de um concorrente, por exemplo, e escolhem o que acham melhor. 

Esses são alguns dos testes de usabilidade mais comuns, porque fornecem insights preciosos como o usuário se comporta e sente quando entra em contato com o seu produto. Existem ainda outros métodos, por isso é importante definir bem qual o seu objetivo para escolher o teste certo.

Perguntas para teste de usabilidade

Aqui é necessário que você monte um roteiro para guiar o seu teste e não perder tempo. Para isso, elabore as suas perguntas de acordo com os objetivos do seu teste. Olha só alguns exemplos:

Aqui é necessário que você monte um roteiro para guiar o seu teste e não perder tempo. Para isso, elabore as suas perguntas de acordo com os objetivos do seu teste. Olha só alguns exemplos:

  • Se você quisesse mudar o seu endereço de entrega, como faria isso?
  • Como faria para entrar em contato com a gente?
  • Usando o aplicativo, realize uma transferência bancária (falsa, é claro!).

É importante que você elabore um checklist de teste de usabilidade para garantir que não se esqueceu de nada, afinal será impossível refazer os testes nas mesmas condições depois. Então, é importante se preparar com o seu roteiro de perguntas e o checklist de teste de usabilidade.

Reforçando que as perguntas irão se basear no que você e sua equipe querem descobrir e testar. Por isso, às vezes, testes de usabilidade podem ter várias rodadas para garantir que o produto saia perfeito. Afinal, ao ajustar um problema, pode ser que você crie outro.

Algumas empresas lançam versões betas, caso o prazo seja curto, e aproveitam o feedback dos usuários para reparar erros e melhorar a experiência. Avalie se isso faz sentido para você.

Perguntas para teste de usabilidade

Aplicações de teste de usabilidade UX

Os testes de usabilidade podem ser usados para qualquer tipo de produto. Quer saber se a embalagem está boa? Teste. Seu aplicativo está intuitivo? Teste. Seu site tem uma boa navegação? Teste também.

O teste de usabilidade vai muito além de identificar um bom design ou conteúdo, ele engloba como o usuário vai ver, perceber e usar o seu produto.

Lembre-se: investir em experiência do usuário é uma forma de fortalecer a sua marca na mente do seu consumidor.

E se precisar, conte com a nossa equipe aqui na Agência 242 para ajudar você e a sua marca nessa empreitada!


Gostou desse conteúdo? Não deixe de conferir também:

Pedro Hermano

Pedro Hermano, bacharel em Publicidade e Propaganda pela (ESPM), especializado em Branding e Planejamento Estratégico de Marcas na McGill University, no Canadá e em Marketing Digital em Harvard. Pós-graduado em Gestão de Negócios pela Fundação Dom Cabral (FDC) e atualmente é sócio-fundador e diretor de criação da Agência 242. Em 2018, foi eleito Profissional Digital do Ano pela ABRADi-SP.